GuiaInvest

Para onde vai o Ibovespa?

Caro leitor,

Nos últimos dias o Índice Bovespa renovou as suas máximas, superando a marca dos 102 mil pontos.

Aos trancos e barrancos, deveremos ter a Reforma da Previdência votada na Câmara dos Deputados em menos de 2 meses.

Isso tem animado o mercado e os primeiros gatilhos de uma alta mais vigorosa da bolsa vão sendo acionados.

Mas onde vamos parar? Para onde vai o Ibovespa?

Desde janeiro o GuiaInvest vem sustentando a tese dos 500 mil pontos até 2024.

Isso significa que nos próximos 5 anos, na média, o mercado vai multiplicar por 5 vezes o capital de quem entrar na bolsa hoje.

Claro que nada disso será linear.

Quedas de 10, 15 ou 20 por cento ocorrem por qualquer motivo besta: um arranca rabo entre os três poderes, um tweet desastrado do Trump e por aí vai…

De toda forma, colocando esses riscos na balança, o mercado segue otimista.

Acrescenta-se a isso o novo discurso do Banco Central, agora aberto a novas reduções da Taxa Selic.

Isso é só o começo e nesse segundo semestre já devemos ver a bolsa subindo forte. E repito: não será de forma linear, os solavancos no meio do caminho são a única coisa certa.

Ainda assim, mesmo não tão animado com a economia, sigo otimista com a bolsa…

Essa semana me chamou atenção aquele homem que interrompe todos os seus vídeos no YouTube… ele fala em Ibov em 150 mil pontos.

Peço licença aqui para dizer que ele pensou pequeno. Ou, ao contrário do que se deve sugerir para quem está começando, ele está pensando a curto prazo.

Os 150 mil já são uma realidade. Os 200 mil estão logo ali.

Isso vai ser o suficiente para trazer a euforia que precisamos para avançar as outras centenas de milhares de pontos que precisamos para alcançar os 500 mil pontos.

Motivos para crer não faltam:

  • Empresas com estruturas de custos enxutas, prontas para voltar a crescer;
  • Redução do nível de endividamento das empresas e famílias;
  • Seguimos com a taxa de câmbio em um patamar competitivo combinado com inflação e juros baixos, algo inédito no país;
  • Fundos brasileiros ainda estão com alocação em ações muito abaixo da média histórica;
  • Investidor estrangeiro ainda está pouco alocado em Brasil;
  • Há muita capacidade ociosa a ser preenchida na economia brasileira, o que vai permitir termos aumento do emprego, do crédito e do consumo sem nenhum a pressão inflacionária por alguns anos.

Por último, gosto de dizer que o sentimento geral ainda é de muito pessimismo. Perdemos o costume de crer em um cenário benigno duradouro para economia brasileira e, claro, esse desânimo geral é refletido nos preços das ações.

Se estivéssemos todos eufóricos, todo mundo estaria investindo na bolsa. Ninguém aguenta ver o vizinho ficar rico da noite para o dia e não entrar na festa também.

É claro que podemos estar sendo demasiadamente otimistas com os 500 mil pontos.

Mas estamos alertando você desde já porque esse movimento realmente faria diferença no seu patrimônio se você estiver exposto a este processo. Nesta aula nós dizemos exatamente o que fazer para surfar essa onda.

Lamento, mas se o Ibovespa parar nos 150 mil pontos, isso não muda em nada a sua vida.

Dá somente para um gostinho e, sinceramente, não é tão logo que você vai poder deixar de se preocupar em investir bem o seu dinheiro.

Meu recado é esse.

Antes de me despedir, um aviso rápido: nesse sábado, dia 29, teremos um evento exclusivo chamado a Semana da Regra Nº 1.

A Regra Nº1 é a única coisa que todo investidor deve saber para ganhar dinheiro na bolsa.

É a única coisa que separou os investidores bem sucedidos dos que perderam dinheiro. Isso em todos os lugares do mundo e em qualquer momento da história.

Martin Kirsten

Economista do GI. Mestre e Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Investidor desde 2013, já trabalhou no mercado financeiro e assina a newsletter Recado do Economista aqui no GI. É um amante de café e de uma boa culinária.

[Palestra Online e Gratuita]
[Palestra Online e Gratuita]