GuiaInvest

Oliver, cozinheiro e investidor internacional

Porque o Brasil está na mira dos gringos

Depois de uma semana em cada “beco” financeiro de New York, algo deverá ser dito:

Nós brasileiros estamos incrivelmente atrasados em comparação a mentalidade de investimentos dos americanos.

Quem me conhece sabe que tenho dois vícios: cafeína e mercado financeiro.

Bem, em uma das minhas paradas para um rápido café na Starbucks (aliás recomendo para quem for visitar NY a Starbucks Reserve na 9ª avenida) peguei o celular do bolso e fui dar uma espiada no humor do mercado naquele dia… importante ressaltar que raramente faço isso.

Sentado ao meu lado havia uma pessoa inquieta, que ficava tentando olhar para a tela do telefone. Quando ele percebeu que a situação já estava embaraçosa, resolveu se apresentar e ocorreu um diálogo interessante:

Oliver: Olá, desculpa estar incomodando, me chamo Oliver. Percebi que você estava olhando cotações de empresas brasileiras.

Eu: Prazer Oliver, me chamo Eduardo. Sou brasileiro e estava observando as ações da minha carteira…

Oliver: Que legal! Eu adoro o Brasil! …(vou pular alguns minutos da conversa em que ele contou algumas histórias de uma tal “férias de despedida de solteiro” em que viajou ao Brasil)… eu invisto em diversas empresas de tecnologia aqui dos Estados Unidos, mas quero alocar em ações de empresas brasileiras. Eduardo, acredito que o Brasil é uma das maiores oportunidades entre os países emergentes.

Eu: Por que acredita no Brasil? (Mesmo concordando fiquei curioso com o argumento que ele utilizaria)

Oliver: A economia vai destravar, então o cenário para as empresas será “lindo” e ações são empresas.

A conversa se estendeu por mais uns 10 minutos, acabou quando ele voltou a falar da “tal viagem de férias” ao Brasil…

O que mais me chamou a atenção é que isto dificilmente aconteceria em uma cafeteria aqui do Brasil, simplesmente porque o brasileiro ainda não enxerga o devido valor de investir em ações.

Detalhe importante, o Oliver trabalhava com culinária, não tinha qualquer ligação com o mercado financeiro.

O americano nasce investindo em ações, o brasileiro nasce “financiando” produtos…mas isso é conversa para outro e-mail.

O que mais me chamou a atenção na conversa, foi a simplicidade do racional do Oliver:

“Ações são empresas”.

Se os investidores entendessem esse fato, dificilmente fariam investimentos ruins.

Esse é o ponto principal para o sucesso de se investir em ações.

Basicamente acredito em duas estratégias de investimentos e ambas exigem investimentos em boas empresas.

  • Buy and hold: Comprar as ações de boas empresas sempre e para sempre.
  • Value Investing: Comprar as ações de boas empresas, apenas quando elas estiverem baratas.

Se você se preocupar em investir em boas empresas, todo resto não fará importância.

Como o próprio Warren Buffett disse uma vez:

“Pare de tentar prever a direção do mercado de ações, da economia, das taxas de juros ou das eleições. Estude os fatos e as condições financeiras, avalie o panorama futuro da empresa e compre quando tudo estiver a seu favor”.

Dicas de um investidor que acumulou mais de 100 bilhões de dólares investindo em ações.

Fica claro que investimentos de sucessos são baseados na pura racionalidade de investir em empresas boas e se abster do resto.

Embora entenda que o maior desafio é justamente se abster do resto…Selecionar e estudar empresas pode ser uma tarefa complexa se você não for familiarizado com o tema.

Eu utilizo como estratégia central a mesma estratégia do Warren Buffett (Value Investing)

Caso queira ajuda, tenho um canal chamado Joias da Bolsa, nele disponibilizo um portfólio de ações de boas empresas e baratas.

Não se esqueça de me adicionar no instagram @eduardo_voglino!

Poderemos trocar muitas ideias por lá!

Um abraço e bons investimentos,

Eduardo Voglino

[Palestra Online e Gratuita]
[Palestra Online e Gratuita]