GuiaInvest
fundos imobiliários

Fundos imobiliários ou dividendos: qual opção é melhor para mim?

O mundo do investimento é bastante amplo e você deve estar atento quanto a sua variedade para conseguir encontrar as melhores alternativas de investimentos para o seu perfil. Entre esses investimentos, destacamos neste artigo os fundos imobiliários e os dividendos de ações.

Explicaremos como cada um funciona e quais são os seus riscos. Além disso, vamos apresentar como eles são calculados e deixamos dicas de como você pode escolher o investimento mais adequado ao seu perfil. Continue lendo este artigo e conheça mais sobre os dividendos e os fundos imobiliários!

Entenda como funcionam o investimento em ações e o recebimento de dividendos

Ao comprar ações de uma determinada empresa, você também se torna proprietário dela e ganha o direito de receber parte dos lucros, que são divididos entre os acionistas na forma de dividendos.

Esses dividendos podem ser pagos de diversas formas, como em dinheiro, outras ações, propriedades, entre outros ativos. Em nosso país, devido a uma exigência legal, o lucro da empresa a ser dividido para os acionistas deve ser de pelo menos 25%.

Vale ressaltar que a distribuição é proporcional à quantidade de ações de cada acionista e que não há cobrança de imposto nos dividendos de forma direta — embora a empresa pague impostos sobre o seu lucro antes de fazer a divisão dos ativos entre os seus acionistas.

Além disso, é importante que você saiba que há a possibilidade de remuneração dos acionistas com juros sobre capital próprio, que sofre de uma tributação de 15% pela Receita Federal.

Empresas mais estáveis e estruturadas são as melhores pagadoras de dividendos e as melhores opções do mercado, pois têm maior resiliência perante crises políticas e econômicas.

Por fim, mas não menos importante, é essencial que você conheça as diferenças entre as ações preferenciais e nominativas. A primeira dá prioridade no recebimento de dividendos; a segunda, por outro lado, não dá, mas garante direito a voto nas assembleias da empresa. Conheça seu interesse ao investir na empresa e escolha a melhor opção para você.

Saiba como funcionam os fundos imobiliários

fundo imobiliario e dividendos

Os fundos imobiliários funcionam da mesma forma que qualquer outro fundo. Reúnem uma série de especialistas em investimento imobiliário e aplicam os ativos disponíveis nas melhores opções existentes no mercado — de qualquer natureza relacionada ao ramo —, desde desenvolvimento de empreendimentos imobiliários a imóveis prontos, como residenciais, comerciais ou institucionais.

Para você, o fundo imobiliário funciona basicamente como a bolsa de valores, só que em vez de ações, você adquire e vende cotas de participação nesses fundos. Os rendimentos são periódicos e variam de acordo com o valor das cotas e com a quantidade que você tem.

Conheça os riscos associados a cada investimento

A seguir, abordaremos os principais riscos que envolvem cada um desses investimentos.

Dividendos

Ações são ativos de renda variável cujo rendimento varia de acordo com diversos fatores — internos ou externos. Por exemplo, uma empresa mal administrada pode passar por turbulências internas. Isso pode refletir no desinteresse do seu mercado, o que reduz o seu lucro e, consequentemente, os dividendos pagos aos acionistas.

Além dos riscos internos inerentes a todas as empresas, há riscos pouco previsíveis, como instabilidades econômicas e políticas. Caso o governo tome medidas hostis em relação ao mercado, os lucros da empresa tendem a diminuir e, consequentemente, os dividendos pagos aos acionistas e o preço das ações também.

Entretanto, isso não é um motivo para eliminar totalmente a possibilidade de investir nesses ativos. Lembre-se que não há investimento sem risco. As ações representam uma boa alternativa para investimentos com bons retornos e riscos moderados.

Para reduzir o risco, há várias estratégias que você pode adotar, como optar por escolher empresas com boa saúde financeira, estrutura interna e perspectiva de crescimento futuro. Além disso, é sempre válido diversificar a carteira tanto entre ações de empresas distintas quanto em investimentos em ativos diferentes (renda fixa e variável, fundos, entre outros).

Fundos imobiliários

Antes de discutir os riscos desse tipo de investimento, vale destacar que ele costuma ser mais rentável e apresentar mais segurança que o investimento direto em imóveis, pois conta com mecanismos de proteção às oscilações do mercado.

No entanto, como todo investimento, apresenta riscos. Há o risco de liquidez, que é a provável dificuldade de se desfazer dos ativos e recuperar o dinheiro investido. Para isso, é necessário encontrar interessados nas cotas.

Além disso, há o risco de inadimplência ou vacância (quando o imóvel fica vazio, sem gerar renda alguma). Há também o risco físico, visto que há a possibilidade de o imóvel sofrer com intempéries e perder o seu valor ou utilidade.

Outros riscos apontados constantemente são: risco de sazonalidade, que ocorre principalmente em aluguéis de imóveis em centros comerciais, em que o aluguel é calculado de acordo com a venda das lojas; risco judicial, quando o imóvel sofre ações na justiça; entre outros.

Entenda como esses investimentos são calculados

dividendos e fundos imobiliarios

Ambos os investimentos são calculados de forma bem simples. Os dividendos são calculados de acordo com o lucro da empresa (já descontando taxas e custos) com os acionistas. Esse lucro deve ser de no mínimo 25% para empresas de capital aberto, conforme a Lei das Sociedades Anônimas.

Eles costumam ser pagos de acordo com a quantidade de ações que cada proprietário da empresa tem. Por exemplo, se o valor dos dividendos da empresa for igual a R$ 1.000 e a ela contar com 10 acionistas com números iguais de ações, cada um receberá R$ 100 de dividendo.

Já para os fundos imobiliários, há duas formas de calcular os recebimentos: por meio das distribuições de rendimentos e da valorização da cota. Por força da lei, os fundos devem, semestralmente, distribuir um mínimo de 95% dos rendimentos dos fundos para os cotistas.

Para ter uma noção do seu rendimento no fundo, basta que você saiba o valor do rendimento mensal e faça a divisão. Após essa etapa, é necessário multiplicar por 100 para chegar na porcentagem.

A outra forma de calcular rendimentos nos fundos imobiliários se dá pela valorização das cotas. Os fundos que apresentarem maior valorização são aqueles que apresentaram também um maior rendimento.

Saiba como escolher a melhor opção

Não há investimentos melhores ou piores — mas sim investimentos mais adequados ao seu atual momento de vida. Antes de escolher entre dividendos ou fundos imobiliários, você precisa conhecer o seu perfil de investidor. Ambas as opções são plausíveis e há a possibilidade de você investir em ambos os ativos para acumular riqueza.

Sendo assim, fundos imobiliários e ações com recebimento de dividendos são ótimas opções. Ao contrário do que você possa imaginar, não é difícil investir nessas modalidades. Atualmente, você pode fazer isso de casa, sendo assessorado por softwares. Fique atento para fazer a melhor escolha e conheça os ativos nos quais você deseja investir!

Se deseja ganhar uma renda mensal com aluguéis de fundos imobiliários, você pode participar da nossa vídeo-aula gratuita que vai ao ar nos próximos dias, clique aqui e verifique se ainda temos vagas.

Equipe GuiaInvest

Nossa missão é ajudar as pessoas a poupar, administrar e investir seu dinheiro de maneira inteligente para que conquistem a liberdade financeira.

Ebook grátis:

O Plano Definitivo para Você Chegar à Liberdade Financeira

Descubra como planejar sua busca pela Liberdade Financeira começando do zero!

Baixar agora
E-book: O Plano Definitivo para Conquistar sua Liberdade Financeira

Seja o primeiro a comentar!