GuiaInvest
value investing

7 Conceitos e Histórias Para Entender o Value Investing

O Value Investing pode ser definido como um conjunto de princípios que, quando compreendidos e seguidos, conduzem o investidor ao sucesso em uma estratégia de investimento de longo prazo. Conheça conceitos e histórias que exemplificam o que é o Value Investing e convença-se a fazer seus investimentos seguindo essa filosofia.

O Value Investing pode ser definido como um conjunto de princípios que, quando compreendidos e seguidos, conduzem o investidor ao sucesso em uma estratégia de investimento de longo prazo.

Fundamentalmente, tem a ver com comprar ações de excelentes empresas, mas que estão mal avaliadas em função de fatores inerentes ao mercado de ações, como a imprevisibilidade e a irracionalidade no curto prazo.

É comum que o senhor Mercado reduza o valor de uma ação para abaixo de seu valor real. Mas um investidor sagaz, que conhece os conceitos e as estratégias do Value Investing, sabe como tirar proveito desta incoerência momentânea.

O conceito foi apresentado por Benjamin Graham em seu livro Security Analysis, publicado em 1934. Desde então, investidores que sabem que o mercado de ações deve ser tratado com cautela e com viés de longo prazo seguem, com sucesso, os ensinamentos de Graham.

Já falei por aqui anteriormente que não é à toa que os maiores investidores de todos os tempos construíram suas fortunas 100% amparados por estratégias de Value Investing.

Quer aumentar suas chances de entrar para esse grupo? Então conheça conceitos e histórias que exemplificam o que é o Value Investing e convença-se a fazer seus investimentos seguindo essa filosofia.

#1. O primeiro passo é não dificultar o que é simples

O mais famoso dos investidores em valor, você sabe, é Warren Buffett. Em sua tradicional carta anual aos investidores da Berkshire Hathaway, no ano de 1996, Buffett disse que para investir com sucesso você não precisa entender de conceitos complexos ou dominar a análise técnica.

Sua recomendação, inclusive, era o contrário. Para o mago de Omaha, você pode até ser melhor se não souber nada disso.

Em nossa visão (se referindo a ele e a Charlie Munger), bons investidores precisam apenas aprender a como avaliar uma empresa e como pensar a respeito do preço de uma ação.

Parece haver uma característica perversa no ser humano de tentar dificultar o que é fácil. Eu sou um investidor melhor porque sou um homem de negócios. E sou um melhor homem de negócios porque sou um investidor.

Simples assim.

#2. Investir baseado no Value Investing é se tornar sócio de excelentes empresas

Uma regra fundamental para o investidor que segue os ensinamentos de Benjamin Graham é analisar empresas como se estivesse avaliando uma possibilidade de se tornar sócio de um grande negócio.

Até porque é exatamente isso que acontece quando você compra uma ação.

Parece tolo dizer isso, mas muitos se esquecem de seguir essa premissa importante para o sucesso quando ignoram tudo o que diz respeito à saúde financeira de uma empresa e suas perspectivas futuras para focar nos gráficos e nas “dicas quentes” aleatórias – ou simplesmente não levam a sério sua carreira de investidor.

#3. Seguir o Value Investing é investir em negócios que você gosta, entende e confia

value investing comprar ações de empresas que voce conhece e confia

Lembra quando comentei aqui sobre a filosofia que diz que “todos precisam de uma camisa nova”? O Value Investing, como Warren Buffett bem nos lembrou no início desse texto é simples, lógico e racional.

Seu objetivo ao investir deve ser comprar, a preços racionais, ações de empresas cujos negócios são fáceis de serem compreendidos cujos e de que os lucros tendem a ser exponencialmente maiores num horizonte de cinco, dez, vinte anos.

Se você não está disposto a “passar” um longo período como esses com uma ação, nem pense em comprá-la, tampouco investir na bolsa de valores.

#4. Investir em valor é caçar descontos…

Se você é daquelas pessoas que só compra produtos em promoção, saiba que dentro de você já existe um investidor em valor. Nem sempre comprar uma ação de uma empresa excepcional vai gerar o melhor resultado no longo prazo.

Para que isso ocorra, é preciso saber que está comprando a ação por um preço abaixo do seu valor real. Essa é a chamada margem de segurança, um dos pilares do Value Investing. Em meu curso Árvore da Riqueza ensino como comprar ações com desconto.

Em breve abrirei uma nova turma! Fique de olho para garantir sua vaga, pois elas são limitadas!

#5. E agir como um predador mortal

O investidor em valor sempre vai comprar ações de empresas extraordinárias, é verdade, mas isso não quer dizer que ele vai comprá-las a qualquer momento.

É preciso encontrar o equilíbrio entre preço, valor e momento, da mesma forma como agem os grandes predadores da natureza.

Da mesma forma que os animais farejam, perseguem e analisam a presa, monitoram o ambiente e esperam a hora certa para atacar, o investidor em valor gerencia sua decisão de investimento.

#6. Por favor, não esqueça que o mercado não é eficiente

Se sabemos que a irracionalidade impera e que a volatilidade é uma das principais características da renda variável, por que deveríamos acreditar que o preço atual de uma ação sempre irá refletir exatamente seu valor real?

É aí que entra em cena um personagem que o bom investidor em valor faz questão de ignorar: o quase sempre apocalíptico noticiário econômico, que exerce uma forte influência sobre as ações – às vezes de maneira positiva, outras, negativa.

No entanto, quando se conhece os caminhos do Value Investing não é difícil compreender essa esquizofrenia, ficar alheio à ela e encontrar ações de valor em meio ao caos.

#7. Toda unanimidade é burra

O efeito manada é responsável por fazer muitas vítimas no mercado de ações. Em geral, investidores que não buscam desenvolver seus conhecimentos e habilidades para investir são as presas mais fáceis.

Nunca esqueça que a irracionalidade sempre dará as rédeas no curto prazo e que pode ser tentador ir para o mesmo lado que todos estão indo, mas que investidores em valor adotam uma postura contrária à manada.

De forma resumida, compram quando todos estão vendendo e vendem quando todos estão comprando. É uma lógica parecida com a de comprar presentes de Natal em janeiro, quando as lojas estão vazias e o varejo concedendo grandes descontos.

Você se considera um investidor em valor?

Espero que este artigo tenha sido útil para ajudá-lo a compreender melhor por que eu tanto defendo o Value Investing como método para investir com sucesso na bolsa de valores. Na semana que vem vou mostrar com mais detalhes porque essa filosofia de investimentos faz sentido.

Se você já é um adepto dos ensinamentos de Benjamin Graham e de todos os grandes adeptos do investimento em valor, deixe um comentário revelando suas razões. Estou curioso para saber os seus motivos para seguir essa linha de pensamento.

Bons investimentos!

Crédito das imagens: www.shutterstock.com

Aprenda como ganhar de R$1mil a R$5mil por mês com dividendos, mesmo que tenha somente R$100 para começar.

André Fogaça

André Fogaça é empreendedor digital, investidor e co-fundador do GuiaInvest. É formado em Administração de Empresas pela UFRGS e pós-graduado em Economia e Finanças pela mesma instituição. Possui credencial de administrador de carteiras e consultor de valores mobiliários pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

1 comentário

[Palestra Online e Gratuita]
[Palestra Online e Gratuita]
[Palestra Online e Gratuita]
[Palestra Online e Gratuita]