Blog do GuiaInvest
erros-comuns-ao-investir-em-ações

Os 3 Erros Mais Comuns ao Investir em Ações (O Terceiro é o Pior!)

Todos nós cometemos erros. Afinal, somos seres humanos. Nos investimentos não é diferente, ainda mais quando falamos do mercado de ações. Seja você iniciante ou mais experiente, conheça os 3 principais erros que os investidores cometem.

Você sabia que existem situações bem corriqueiras que podem levar a 3 erros comuns ao investir em Ações? Neste artigo você vai descobrir quais são elas e o mais importante: como se proteger (e proteger seu capital).

Todos nós cometemos erros. Afinal, somos seres humanos. Não é à toa que o ditado popular consagrou a ideia de que “errar é humano, mas repetir o erro é burrice”.

Saber então que temos esse “aval” para perdoar nossos próprios equívocos mas, que não é inteligente insistir nos erros já cometidos, é algo bastante intuitivo e inclusive disciplinador.

Nos investimentos não é diferente, ainda mais quando falamos do mercado de renda variável, mais conhecido como mercado de ações.

Os 3 erros comuns ao investir em ações

Seja você iniciante ou mais experiente, é provável que já tenha cometido erros que o levaram a perdas financeiras nesse mercado. Aliás… você reconhece algumas dessas situações abaixo?

Situação #1

O dia está ensolarado, você acorda feliz e confiante com a vida. O seu otimismo com o mercado de ações é grande, afinal de contas, está todo mundo ganhando dinheiro fácil com ações.

Você senta na frente do computador e usa todas as suas economias na compra de ações daquela específica empresa que o seu cunhado recomendou.

Algum tempo depois, você se arrepende amargamente do que fez.

Situação #2

Durante 6 meses você segue à risca todas as centenas de dicas “quentes” e recomendações diárias da sua corretora, acreditando que ficará rico em pouco tempo.

E, no final do período, parece que boa parte do retorno simplesmente evaporou – se é que houve retorno positivo. Esta situação geralmente leva a erros comuns ao investir em Ações.

Situação #3

Após ler sobre alguns boatos de empresas no jornal e escutar a dica do vizinho, você toma a decisão de comprar ações de uma empresa que você mal sabe o nome.

Além de não saber o nome, você não faz a menor ideia a respeito do que ela vende ou fabrica. E, o pior de tudo, você tem convicção de que fez um ótimo investimento.

Se você se identificou ou já ouviu histórias parecidas com estas, este artigo vai lhe ajudar a evitar os erros mais comuns entre os investidores de bolsa de valores.

Continue lendo para descobrir que…

  1. O maior vilão do seu sucesso nos investimentos não é sua corretora, o governo ou o mercado, e sim, a pessoa que você enxerga no espelho;
  2. Por que pequenas taxas, aparentemente irrelevantes, podem comprometer a rentabilidade da sua carteira no longo prazo;
  3. O velho ditado popular “Não coloque todos os ovos na mesma cesta” é muitas vezes esquecido até mesmo pelos investidores mais inteligentes. E isto faz parte da cartilha básica de erros comuns ao investir em Ações.

Erro 1 – Negligenciar taxas e custos de transação

Erros comuns ao investir em ações

É natural que, ao investir no mercado de ações, você seja tentado a realizar operações com bastante frequência.

Isso ocorre por que o mercado oscila muito, e você fica tentado a querer aproveitar o máximo de oportunidades possíveis.

Somado ao excesso de confiança, viés comportamental comum de quem investe em ações, é compreensível que você fique propenso a fazer mais operações do que normalmente faria se o mercado fosse estável, por exemplo.

Mas isso não significa que você terá mais resultado, porque as taxas e os custos de corretagem podem eliminar toda a sua rentabilidade.

E, se não bastasse a influência do excesso de confiança, ainda existe um outro elemento em que você deve ficar de olho: o seu corretor.

O seu corretor é alguém que sempre terá uma recomendação “quente” para você. Faça chuva ou faça sol.

No entanto, é bom lembrar que  a receita do corretor é oriunda da corretagem gerada a cada vez que você compra ou vende uma ação.

Qualquer profissional que tenha metas de venda ou que receba boas comissões na venda de produtos financeiros terá o maior interesse em “empurrar” produtos para seus clientes que nem sempre são os mais adequados ao seu perfil.

Logo, o corretor ganha sempre, já você, nem sempre. Ao contrário, você perde uma parte do seu capital, devido aos custos de transação, toda vez que faz algum movimento na sua carteira de investimentos.

Fique bastante atento a isso!

Não estou afirmando que esses profissionais não são úteis e importantes para o investidor. Muitas vezes eles têm bom conhecimento técnico e sabem explicar bem o funcionamento de um produto.

Mas você deve sempre procurar saber de que forma a pessoa ou a instituição que lhe oferece determinado produto é remunerada.

Warren Buffett tem uma frase que ilustra bem esta situação:

Nunca pergunte a um barbeiro se você precisa cortar o cabelo.

E o filme “O Lobo de Wall Street” ensina boas lições sobre o risco de se deixar levar por promessas de profissionais mal intencionados do mercado financeiro.

No livro “O Investidor Inteligente”, Benjamin Graham fala de um estudo que comprovou que o excesso de transações tende a corroer o capital do investidor devido aos custos de transação.

Excesso de transações corroi capital do investidor

Enfim, quanto mais movimentações o investidor realiza, menor é o seu retorno.

A única coisa que investidores comuns conseguem realizando muitas operações é deixar seus corretores mais ricos.

Michael Jenson, Finance Professor -Harvard.

Erro 2 – Esquecer de diversificar sua carteira de investimentos

Diversificar carteira de investimentos

Talvez o conselho sobre diversificação seja um dos mais populares quando o assunto é investimentos. No entanto, é um dos mais esquecidos pelos investidores.

Você deve concordar que a primeira grande dica ensinada sobre investimentos é que não devemos investir todo dinheiro em um mesmo ativo ou classe de ativo.

Não é verdade? Todo mundo sabe disso. Mas será mesmo?

É surpreendente, mas muitos investidores ainda cometem esse erro básico de não diversificar e colocar todo o dinheiro em ações, por exemplo.

Não raro, são as vezes em que o investidor comum usa todo seu dinheiro na compra de uma única ação.

Atentar para a diversificação dos seus investimentos permitirá que você, obrigatoriamente, divida sua carteira entre renda fixa e renda variável (no mínimo). E isso é importante por duas razões:

1ª Razão

Você terá uma parcela do seu capital que estará protegida de grandes oscilações – no caso, em ativos de menor risco e com rentabilidade mais previsível, como ocorre com os ativos de renda fixa.

E isso é uma enorme segurança para você. Desse modo, você sempre terá uma reserva para emergências, caso precise.

No final de 2008, por exemplo, após o estouro do crise financeira mundial, quem tinha todo seu dinheiro investido em ações, chegou a perder cerca de 60% do capital em um intervalo de 120 dias.

Ibovespa queda de 60 IIFonte: GuiaInvest

Como diria Warren Buffett, um dos investidores mais bem sucedidos do mundo:

Regra nº 1: não perca dinheiro. Regra Nº 2: Não esqueça a regra numero 1.

2ª Razão

A diversificação entre renda fixa e renda variável permitirá que a “mágica” de comprar ações na baixa e vender na alta aconteça.

O nome da estratégia que explica como isso é possível se chama alocação de ativos e será assunto para um próximo artigo.

Erro 3 – Confundir especulação com investimento

especulação x investimento

Se você é investidor ativo do mercado de ações ou já investiu no passado, as chances são de que, em algum momento, você especulou pensando que estava investindo.

Esse é um erro comum nesse mercado. E o entendimento da diferença entre especular e investir é fundamental para o seu sucesso como investidor.

Aquele que não conhece esta diferença está predestinado a cometer erros comuns ao investir em Ações e sofrer grandes frustrações financeiras, mais cedo ou mais tarde.

A boa notícia é que é bastante simples a diferenciação entre estas duas formas de atuação na bolsa de valores.

Segundo Benjamin Graham, em seu livro “O Investidor Inteligente”:

Uma operação de investimento é aquela que, após análise profunda, promete a segurança do principal e um retorno adequado. As operações que não atendem a esses critérios são consideradas especulativas.

Para complementar as palavras de Graham, posso afirmar que investir é aplicar seu capital em uma empresa com o objetivo de obtenção de lucro no longo prazo.

E investir em ações é comprar pequenas participações em empresas ou negócios.

Quando você adquire estas participações, você está se tornando sócio destas empresas. E, como um sócio, você tem direito ao recebimento de parte dos lucros na forma de dividendos, por exemplo.

Nesta aula online e gratuita eu ensino como ganhar até 5 mil por mês com dividendos.

Especulação é realizar transações de curto ou médio prazo, aproveitando-se exclusivamente das variações de preço das ações.

O especulador não se importa com a qualidade e com os fundamentos da ação que está sendo negociada. Na prática, ele atua como um apostador.

No entanto, não há nada de errado em especular, contanto que você não confunda a especulação com investimento.

Na bolsa de valores, os especuladores são aqueles que proporcionam liquidez para os investidores.

Quando um investidor quer comprar ou vender uma participação (ação), muitas vezes é o especulador que está do outro lado para realizar a transação.

Por fim, o investidor e o especulador são dois jogadores do mesmo jogo e ambos se complementam para esse jogo funcionar.

Descubra que tipo de jogador você deseja ser e vá em frente.

Conclusão – Recapitulando

Erros comuns ao investir em ações (conclusão)A verdade é que o processo de investimento é uma tarefa simples, mas não é fácil, pois implica saber administrar questões técnicas e comportamentais.

Agora que você já conhece estes 3 erros comuns ao investir em Ações, tenho certeza de que você está mais perto de de atingir melhores resultados na bolsa de valores.

Lembre-se de que errar de vez em quando é normal. A parte boa é que podemos aprender boas lições com nossos erros.

Apenas tome cuidado para não tornar esses erros um hábito, pois, se isso acontecer, você estará com sérios problemas e a sua vida como investidor será curta.

Recapitulando os 3 erros comuns ao investir em Ações

  1. Negligenciar custos e taxas de corretagem
  2. Esquecer de diversificar sua carteira de investimentos
  3. Confundir especulação com investimento

Se você tiver algum amigo que também possa se beneficiar destas informações, compartilhe este artigo com ele.

E você conhece outros erros comuns ao investir em Ações? Adoraria saber mais sobre sua experiência.

Deixe um comentário sobre o que achou deste artigo. Ficaria muito contente de saber sua opinião.

Até o próximo artigo!

(Crédito das imagens: shutterstock.com)

Aprenda como ganhar de R$1mil a R$5mil por mês com dividendos, mesmo que tenha somente R$100 para começar.

André Fogaça

André Fogaça é empreendedor digital, investidor e co-fundador do GuiaInvest. É formado em Administração de Empresas pela UFRGS e pós-graduado em Economia e Finanças pela mesma instituição. Possui credencial de administrador de carteiras e consultor de valores mobiliários pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Ebook grátis:

O Plano Definitivo para Você Chegar à Liberdade Financeira

Descubra como planejar sua busca pela Liberdade Financeira começando do zero!

Baixar agora